Connect with us

Karatê

Karatê encerra o ano sendo a modalidade com mais crianças atendidas

O Esporte Joinville inicia a partir de hoje (13) uma série de matérias com os coordenadores esportivos da cidade. O objetivo é mostrar e avaliar como foi o ano da modalidade, e quais são os objetivos para 2018.

Nosso primeiro bate-papo foi com o coordenador de Karatê, Hortulano Belli. Há frente da modalidade desde 2005, Hortulano comemora os resultados obtidos.

“As metas que traçamos foram atingidas em todas as competições: Campeonato Brasileiro, Campeonato Pan-Americano, e os próprios Joguinhos, Olesc e Jogos Abertos. A perspectiva é manter esse trabalho para os próximos anos”, avaliou.

A cidade conta hoje com três mil praticantes de karatê, sendo nos núcleos do Programa de Iniciação Esportiva (PID) ou nas academias, com os atletas de alto rendimento. A evolução da modalidade deixa pra trás tradicionais esportes praticados no país.

“Hoje, o Karatê é a modalidade que mais atende crianças nos bairros. Ficamos à frente do futebol, do futsal… É um orgulho pra gente!”, afirma.

  • Principais conquistas no ano

Nem sempre os troféus e medalhas vêm da disputa no tatame. Para Joinville, o modelo de trabalho também é premiado. “Uma das principais conquistas do Karatê neste ano é que a Associação de Servidores Públicos de Joinville foi reconhecida como a segunda melhor associação do Estado, faturando o Troféu Gustavo Kuerten” conta o coordenador, que cita, também, ex-atletas que agora estão aptos para arbitrarem competições fora do país: “O Deivid Nascimento e o Claiton Roberto Pereira ingressaram na carreira e foram convocados para a Confederação Brasileira. São árbitros de nível internacional”.

  • Chance de Olimpíadas

Um atleta de Joinville está no Circuito Olímpico, em busca de uma vaga para representar o país nas Olimpíadas de Tóquio em 2020, quando a modalidade será disputada pela primeira vez oficialmente. E se o desempenho dele se repetir nos próximos anos, pode pintar joinvilense no Japão.

“O Kaique Rodrigues, que disputou Joguinhos e Jogos Abertos, está liderando o ranking brasileiro na categoria sênior. Em 2018, precisamos continuar dando um bom suporte a ele”.

O circuito segue até 2020, ano em que será disputado os próximos Jogos.

  • Campeã no lado de fora do tatame

Jeanis Colzani, de 32 anos, se aposentou da melhor maneira possível. Em sua última competição oficial – no Jasc, disputado em Lages -, a carateca conquistou a medalha de ouro no kumite individual – 61kg a 68kg. A conquista foi a nona da atleta na principal competição esportiva do Estado. Mas além das nove medalhas douradas nos Jogos Abertos de Santa Catarina, Jeanis coleciona títulos brasileiro e sul-americano. Currículo que a credencia para uma nova função do karatê de Joinville.

“Assim que ela se aposentou, eu fiz o convite para que integrasse a equipe técnica da cidade e ela aceitou. Portanto, Jeanis passa a ser treinadora da equipe feminina da equipe sênior”, relata Hortulano.

Jeanis com o coordenador Hortulani Belli nos Jasc, em Lages, quando a atleta se aposentou (Foto: Divulgação/Fesporte)

  • Revelação

Com tantos praticantes, as chances de um atleta mais novo se destacar são grandes. Muito se deve pela força que a modalidade tem nos bairros, através do PID.  E, em 2017, Joinville ganhou mais um atleta a nível nacional. Bruno Resende foi campeão da Olesc, vice-campeão dos Joguinhos e campeão Brasileiro. É aluno do professor Rafael Soares – que também é atleta da seleção.

  • Planejamento para 2018

Além de manter a modalidade forte e em crescente, para o próximo ano a coordenação procura trazer uma importante competição para Joinville.“Estamos tentando trazer para Joinville a fase regional do Campeonato Brasileiro. Mas o principal objetivo é conseguir colocar o maior número de atletas da cidade na competição”, revelou Hortulano.

  • Estado é destaque

Há quatro anos, Santa Catarina é vice-campeão geral do Campeonato Brasileiro, perdendo apenas para São Paulo. Apesar disso, para Hortulano, o Estado é a principal referência do esporte no país.

“Nós vamos para a competição nacional com 250 a 270 atletas, enquanto a equipe paulista vai com 500… 600. Então, eles pontuam com os caratecas mesmo em colocações menores. Por isso, acabam sendo campeões. Mas, hoje, pode-se dizer que Santa Catarina é o polo do Brasil no Karatê”.

Texto: Thiago Borges

1 Comment

1 Comment

  1. Eliana

    18 de Abril de 2018 at 07:59

    Só que muitas cidades os atletas tem apoio financeiro para competir eu minha filha compete mas nunca teve a oportunidade de ganhar uma bolsa para ajudar com suas despesas todo seu gasto é pago por nois como é lindo falarem dos atletas de Joinville mas cadê Joinville para ajudar seus atletas .E por essa falta de incentivo que nois país muitas vezes desistimos dos sonhos de ter um filho atleta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Karatê